Produção textual do aluno Samuel Marques (2º ano B)

Editorial 

A imagem projetada e humilhada 

“Ser belo ou não, eis a questão! “ Essa afirmação, sem dúvida, combina com as questões estéticas apreciadas e discutidas atualmente. Valores estéticos artificiais e estereotipados atrelados ao poder das grandes mídias criam uma figura manipulada da imagem de cada um.

Um ideal de perfeição típico da mídia é o do rosto perfeito. Um rosto “limpo”, livre de espinhas, cicatrizes, rugas etc, um nariz bem afilado, entre outros detalhes “importantes”. Caso não se tenha o rosto “dourado”, há promessas de cremes milagrosos que melhoram um pouco a aparência, mas de maneira superficial.

Há ainda a questão da privacidade. Expor-se nas mídias com ou sem roupas é uma escolha e um gosto de cada um, no entanto, muitas vezes ocorre a exibição de vídeos que difamam a imagem moral de um indivíduo que não aceita a exposição nas redes sociais, como ocorreu, por exemplo, com a atriz Carolina Dieckmann, que processou imediatamente o infrator.

Além do mais, a mídia cria para todos que utilizam o “padrão 100%” de vida: “Para viver bem, tenha um corpo bonito e só assim será feliz.”

O que a imagem representa para a própria pessoa é diferente do que o meio social quer que ela seja, isto é, está se construindo uma sociedade formada por símbolos de beleza e fantasias sem sentido.